terça-feira, 30 de maio de 2017











Emanuelle Araújo já até cantou em "Pra lá e pra cá" 
quando comandava a Banda Eva - que seu balanço
não era brincadeira. Mas a cantora e atriz precisou
reformular sua ginga para seu próximo trabalho nos
cinemas. Ela vai interpretar Gretchen no filme 
"Bingo – O rei das manhãs", que estreia em 24 
de agosto.
“O rebolado da Gretchen é totalmente diferente do
meu. Tive que desconstruir minha ginga para aprender 
a dela. Um desafio e tanto. Uma experiência deliciosa”, 
conta Emanuelle ao G1.
“Bingo” é uma história fictícia, inspirada na vida de 
Arlindo Barreto, que de 1984 a 1986 deu vida ao 
palhaço Bozo. No longa de Daniel Rezende, Gretchen, 
que viveu um romance com Arlindo, é a única 
personagem retratada como na realidade.
“A Gretchen ‘personagem’ é inserida de forma 
inteligente no roteiro. Para além de real ou fictício, 
senti a responsabilidade de representá-la. Estudei 
e me dediquei bastante para isso. Fico muito feliz 
com o resultado final do nosso trabalho”, elogia 
Emanuelle.
A cantora não chegou a se encontrar com Gretchen
na fase de preparação da personagem, mas fez 
uma grande pesquisa pela internet sobre a cantora.
“Tentei me aproximar o máximo possível dessa potente
energia que ela tem e todo a força feminina que passava
no início da sua carreira, período do recorte do filme.”
Emanuelle ainda confessa: “Eu era muito fã da 
Gretchen. Quando criança dançava o Piripipi na sala 
nas festinhas de família.”

Indentidade secreta=  "Bingo – O rei das manhãs" 

mostra a história de um famoso apresentador que, por 

cláusula, não podia revelar sua verdadeira identidade. 

Com isso, não era reconhecido sem sua fantasia dos 

palcos. O próprio filho do personagem o indaga o pai 

sobre “de que adianta ser Bingo, sem ninguém poder 

saber”.

Questionada se o reconhecimento nas ruas é mais 
importante do que a satisfação pessoal, Emanuelle 
fica no meio do caminho. “O meu foco é que os 
trabalhos que faço, produzo e estou envolvida façam
sucesso. Adoro reconhecimento ao meu trabalho, 
mas em alguns momentos gosto de passar 
desapercebida também”, entrega, rindo.
Ela ainda faz uma breve análise da trama, que 
envolve a figura infantil mergulhada em um drama 
pessoal, com direito a sexo, drogas e rock'n'roll.
“Todo o filme tem uma curva dramatúrgica interessante.
 A história do Arlindo já é interessante por si e o roteiro
 e direção tornam ela mais sedutora. O conflito do 
Arlindo com sua identidade que não pode ser revelada
 é um retrato relevante dessa história. Todo o contexto
 estético dos anos 80 traz ainda mais brilho a trama.”
O filme traz ainda a participação de Domingos 
Montagner, que morreu em setembro de 2016. 
Emanuelle não chega a contracenar com o ator, 
mas relembra a amizade.
“Domingos era um amigo muito querido. O trabalho dele
no filme é lindo! Trabalhamos juntos na novela ‘Cordel 
Encantado’. Era um ser de Luz. Tenho certeza que está 
em paz.”

Outros projetos=Por falar em novela, Emanuelle conta 

que aguarda um novo convite. “Estou sempre focando 

nas duas carreiras. Conciliá-las é sempre o meu objetivo”, 

conta. A mais recente personagem foi Yara, de “A Lei do 

Amor”, novela que chegou ao fim em 31 de março.

Enquanto aguarda o lançamento de “Bingo”, Emanuelle 
se dedica à música. Em 9 de junho, ela fará um show 
no Teatro Rival, no Rio, para lançar a versão em vinil 
de seu disco "O Problema é a Velocidade”.
“Estou em um momento viciada na compra de vinis 
e o mercado deste formato ampliou bastante 
ultimamente. Está é uma sonoridade que combina 
bastante com o conceito do meu disco. ‘O Problema é a Velocidade’ nasceu para ser vinil”, explica.
Além de comprar discos em vinil em cada viagem 
que faz, Emanuelle guarda algumas relíquias. “Ainda
 guardo a trilha do filme ‘Emmanuelle’ original com as
 canções em francês. Tenho desde adolescente", 
lembra, rindo.





Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário