sexta-feira, 12 de maio de 2017

A obesidade abdominal aumenta o risco de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico, principalmente em mulheres, enquanto um maior índice de massa corporal (IMC) age como fator de proteção nos homens, apontou m estudo liderado pelo Hospital do Mar, em Barcelona, na Espanha. De acordo com a investigação, que teve a participação de 388 pacientes com isquemia e 732 voluntários saudáveis, a obesidade abdominal seria uma medida melhor para prever o risco de isquemia do que o IMC, sobretudo nas mulheres. Os pesquisadores concluíram, segundo a Agência Brasil, que as medidas de gordura abdominal servem para prever o risco de sofrer um AVC. Um dos autores do estudo, o neurologista Jaume Roquer explicou que geralmente as mulheres apresentam uma maior percentagem de gordura corporal, mas o acúmulo na zona abdominal é mais comum nos homens e propõe medir a obesidade abdominal em vez de avaliar a gordura corporal global através do IMC para prever o risco de isquemia. "O motivo é que o perímetro de cintura reflete melhor o grau de adiposidade do que o IMC, principalmente no sexo feminino. Dados estatísticos mostram que um maior IMC previne o risco de AVC em homens, o que concorda com o denominado 'paradoxo da obesidade ', que relaciona a obesidade com uma menor mortalidade e recorrência de isquemia", detalhou a neurologista Ana Rodríguez, que também encabeçou o trabalho. Ela acrescentou que a obesidade abdominal, considerada independentemente do IMC, constitui um fator de risco para ambos os sexos, embora muito mais acentuado nas mulheres. Até agora, estudos anteriores tinham associado claramente a obesidade com doenças cardiovasculares, mas não com o risco de AVC isquêmico.





Fonte: Bahianoticias

0 comentários:

Postar um comentário